segunda-feira, 15 de novembro de 2004

É disto que o meu povo gosta!!!

Quem diz o meu povo, diz os meus leões.
E para temperar o post, junto-lhe uma memória de televisão (e não só!).
Foi há tanto tempo que "já lhe perdi a lembrança"...
Era um programa do Joaquim Letria. Havia um convidado e, no fim, havia um quadro, onde o ilustre entrevistado escrevia algo supostamente elevado!
António Lobo Antunes era o dito ilustre convidado. No momento próprio, lá foi ao quadro e escreveu, com pompa e circunstância: Viva o Benfica!
Na altura, fiquei com a sensação de que não tinha havido ensaio nenhum. Tinha sido um improviso irreverente de um Lobo Antunes muito jovem, apaixonado pelo seu clube, como tantos que para aí há, com estatuto para fazer o que lhe passava pela cabeça e ser aplaudido.
Apesar de tudo, acho que prefiro o Lobo Antunes de hoje, menos irreverente talvez.
Recordo ainda um texto que vinha em todos (quase todos) os livros de Português: uma crónica do Baptista Bastos.
Um miúdo é apanhado pelo polícia a escrever "no paredão austero da Mundial" a frase do Lobo Antunes. (Se eu escrevo outra vez Viva o Benfica, amanhã não saio inteira da jaula!)Os polícias dos textos dos manuais são todos "voz de trovão" e "boas pessoas no fundo". Foi o que valeu ao miúdo, que depois de se pôr ao fresco ainda gritou: "Se calhar o Sô guarda é do Sporting?!"
E agora Eduardo , diz lá quem vai ler este post? Tenho de consultar as tuas estatísticas.

4 comentários:

lique disse...

Olha eu, se me pedissem para escrever algo do género, talvez escrevesse o mesmo. Deixa-me lá repetir: "Viva o Benfica!". Ai, os teus leões... beijinhos

E.O. disse...

interessante texto de análise literária. não haja dúvida, lobo antunes é muito melhor no texto longo, romance, do que no texto curto, slogan

eduardo disse...

Leio eu e todos os amantes da boa escrita, Madalena. Não só pelo meu Benfica. Também por Baptista-Bastos, Lobo Antunes, Joaquim Letria e as "estórias" que eles contavam se os deixassem. Mas sobretudo pela atenção que me mereces e a forma ímpar e acústica que desenhas nas palavras.
Um beijo (se me é permitido)

molin disse...

A perfeição vê-se nas pequenas (por vezes grandes) imperfeições. Na linha de todos os "letrados" que aqui referiste, dou-te o exemplo crasso do nosso Eduardo: ele próprio uma jóia de rapaz, mas... benfiquista!