sexta-feira, 18 de fevereiro de 2005

António Aleixo

Vemos gente bem vestida,
No aspecto desassombrada;
São tudo ilusões da vida,
Tudo é miséria dourada.


Nascimento: Vila Real de Santo António,18 de Fevereiro de 1899
Morte: Loulé,16 de Novembro de 1949

4 comentários:

virna disse...

Sempre descubro coisas novas aqui. Andava um pouco ausente e passei para deixar um beijo.
Virna

lique disse...

E que maravilhosas quadras cheias de verdade e sabedoria ele nos deixou! Beijinhos, Madalena.

molin disse...

Desculpa o afastamento, querida Madalena, mas o período é de reflexão e de pesquisa árdua. Haja sempre motivos de entusiasmo e tudo vai andando como pode.

Mas sabes que não preciso de vir aqui deixar-te beijinhos e miminhos para sentires que tenho saudades tuas.

Hoje tive uma boa notícia. Consegui, num alfarrabista do Porto, um livro que andava a perseguir há algum tempo. "O Escritor Confessa-se", do Aquilino Ribeiro. Melhor ainda. Consegui a primeira e única edição a um preço fantástico.

Ideias que se me metem na cabeça...

Águas de Março disse...

Um poeta, e dos bons, ele era!
Beijinhos, Madalena.