quinta-feira, 16 de junho de 2005

Valentina, a valente!

A noção de espaço tem mudado ao longo dos tempos, sobretudo no que diz respeito à inerente noção de distância.
As distâncias encurtam-se, de modo mais real ou menos real, conforme os meios que escolhemos para as anular.
Os meios de comunicação são a admiração dos tempos modernos. Estou aqui e, de repente, estou ali.
Lembro-me de alguém dizer, a propósito das viagens de avião, que o corpo chegava a qualquer destino, antes mesmo da alma.
Valentina Tereshkova foi a primeira mulher no espaço. Aquele da Lua e dos planetas que estudámos na escola. Aquele que existe, no qual acreditamos, mas, como diz Saramago a propósito da avó Josefa, “pelo qual nunca viajaremos”.
Mas ela viajou.
Com uma alta patente militar, a bordo de uma nave com um nome tão esquisito que até parece nome de remédio genérico, Vostok 6, equipada com conhecimento científico, um curso de paraquedismo, muita prática e com uma coragem do tamanho desse espaço, Valentina deu quarenta e oito voltas à terra, em 71 horas. Foi para o Espaço a 16 de Junho e voltou a 19. Foi uma escapadela, como agora as agências de viagens dizem.
A maior parte das coragens nascem de dificuldades. O pai de Valentina tinha morrido na Segunda Guerra, deixando-a com apenas três anos. Só aos oito é que foi à escola a primeira vez. Aos dezoito, teve de abandonar os estudos e os sonhos de jovem qause menina, para trabalhar numa fábrica têxtil, a mesma onde a mãe trabalhava. Um desses sonhos era precisamente continuar a estudar, o que aconteceu.
Um ano depois destas voltinhas pelo Espaço, Valentina casou com um homem, que também tinha ido e vindo do espaço, Andrian Nikolayev. Mas o casamento foi na terra e foi também na terra que nasceu a primeira e única filha do casal, que rapidamente se tornou alvo de imensa curiosidade por parte dos cientistas, pois esta menina, teria certamente estrelas e sóis inscritos na memória dos genes. Chamaram-lhe Elena Andrianovna. Tem hoje quarenta e um anos e é médica.
Valentina não voltou a "voar" e o casamento “espacial” acabou. Tem agora sessenta e oito anos, uma importante carreira política e vive em Moscovo, na terra daqueles que tiraram a Taça UEFA ao Sporting.
No início do século vinte e um, foi considerada a Mulher do Século Vinte!

7 comentários:

C.S.A. disse...

Bravo! Belo post, Madalena!
Bjo.

Emilia disse...

Olá Madalena!
Sempre que aqui venho, e é quase todos os dias, aprendo sempre qualquer coisa!
Obrigada Madalena.
Um abraço,
Emília.
P.S. Na quarta-feira mostrarei aos pequenotes o teu conselho.

António disse...

Poderei chamar a este post uma pílula de cultura.
Mas a pílula é eficaz. Faz bem!
Jinhos

espumante disse...

Enriqueces a Blogos, que tem mementos tão pobrezinhos!
Beijinho
:)

Mitsou disse...

Subscrevo em absoluto o que disse o espumante. Um grande beijinho, linda!

Incompetente disse...

Ó Madalena,


Não desfazendo em tua excelência, que "ganda" Mulher!

Uma autêntica VALENTE(INA)!!!
Se não fosse um paradoxo, diria que é/foi uma russa às direitas!

Andamos a variar bué na temática, aqui no CQLB!

Quase serviço público! Sim "sanhora"!!!

Beijo... espacial!

Armando S. Sousa disse...

Valentina Tereshkova é indiscutivelmente uma das grandes mulheres do século XX.
Excelente post.
Um abraço