sexta-feira, 26 de agosto de 2005

... da lei da morte libertando!

A fotografia é uma arte que ainda diz muito à minha geração. Hoje é tudo muito instantâneo, porque a tecnologia está ao seu serviço de uma maneira tremendamente acessível, tanto em termos de bolsa como em termos de conhecimento.
(Eu sou bem a prova disso! Tenho uma maquineta barata, disparo a torto e a direito e até sei ligar os cabos que me põem logo tudo neste ecrã. Magia? Não! Tecnologia simples, caseira.E ainda há um photoshop para ajudar, que pode ser usado com muita, pouca ou nenhuma habilidade!)
Longe vão os tempo em que os fotógrafos eram aqueles artistas que esperávamos que captasse o nosso melhor momento e a nossa melhor imagem para a posteridade!
Longe vai o tempo me que íamos ao fotógrafo tirar "tipo/passe" para os documentos oficiais.
O estúdios eram uma arrecadação de cangalhada, de onde se retirava o necessário, para compor um cenário, num cantinho, onde se simulava um espaço mais ou menos natural: uma paisagem, a beira do rio ou o recanto da lareira.
Estes artistas não ficaram todos famosos.
Apenas alguns.
Um deles, famoso por fotografar celebridades (na da Quinta!) como Lobo Antunes, Picasso ou Ian Fleming, morreu ontem: Horst Tappe .
(Eu não sabia quem era e fui procurar. Fiquei admirada quando encontrei esta informação, em francês, que fala precisamente de Lobo Antunes!)
A minha homenagem a esta arte, a este e a todos os artistas que registaram o nosso passado com o melhor brilhozinho nos olhos, deixando-nos escolher a melhor prova para oferecer à família.
tottó
(Recordo aqui o fotógrafo da minha infância: o Vasco, da Focarte.
Moravam ao meu lado na Rua dos Velhos Colonos e eu brinquei muito com a filha mais velha, a Teresinha. A do meio é hoje uma respeitadíssima Senhora dos palcos, da encenação, da palavra e da arte de representar: Natália Luíza. A esta conheci-a no berço. Sei que há uma mais novinha, mas essa não cheguei a conhecer. A mãe, a Enfermeira Celeste, era uma mulher muito linda e muito doce. Só pode estar num céu.)

2 comentários:

Incompetente disse...

Madalena,

Boa postagem e homenagem merecida a esses e a tantos outros fotógrafos anónimos; muitos deles, sem terem consciência disso, eram excelentes profissionais.

Tu (?) também não estás nada mal, não senhor!

Beijos a preto e branco!

IO disse...

Tu já aqui provaste várias vezes que fazes fotos lindas com a tua 'maquineta', go on!!
E a Fotografia, ainda hoje, é uma Arte! - beijo, uma fã do preto e branco.