quinta-feira, 30 de março de 2006

(...)

árvoretorga
Fiquei também a conhecer o negrilho.
Não lhe invejo a sorte de sobreviver a todos, na impassibilidade da sua condição que também redunda em impossibilidade de intervir no devir de tudo e de todos. Resta a este negrilho secar mais ainda e mesmo assim duvido que o simbolismo poético que o envolve alguma vez o deixe descansar, repousar...
Para que conste, tudo isto me levou a uma releitura mais magoada ainda da "Criação do Mundo"!

2 comentários:

Pitucha disse...

Negrilho nunca tinha ouvido. Ulmeiro sim mas não saberia reconhecê-lo.
Menina de cidade é o que dá...
Beijos

dakidali disse...

Também não conhecia esse nome. Sempre a aprender com a Sra. Professora.
Beijinhos