sexta-feira, 14 de abril de 2006

Eu, pecadora...

Há a ideia generalizada de que a virtude e o prazer não podem coexistir no mesmo plano de consciência. Ou um. Ou outro. Os dois, é que não!
Por isso, quando o prazer ataca o sentido, seja ele qual for, a virtude não assoma aos olhos de ninguém. Quando a virtude acena, o prazer normalmente ausenta-se...
Um dia, ouvi um padre, meu colega de Moral, dizer que o que é bom ou é pecado ou faz mal ao fígado. Pelos vistos, a originalidade do pensamento só a mim me apanhou desprevenida.
Fiquei, desde essa altura, de sobreaviso...
Já estava, assim, à espera que, mais dia, menos dia, viesse à tona mais uma remessa de pecados.
Se isto é bom e dá prazer, só pode ser pecado.
Espero, pelo menos, que não seja pecado mortal!
albvaranda
Voltei.
Deslumbrei-me, como sempre, com o azul do mar que avisto ao longe, com o azul do céu que me perdoará todos estes pecados!
E esta luz? Torga diz que "é uma indolência universal, despida".
Se até a luz se compraz na ausência da virtude, como poderemos nós resistir a tanta tentação?!

3 comentários:

IO disse...

Grande 'post' a marcar o teu regresso, boa!! - beijo, IO.

dakidali disse...

Pois pelos vistos agora pecamos todos. Não há mais nada para inventarem.
Coincidências de uma vida marcada pela preocupação de um dia a dia cada vez mais estranho.
Beijinhos
Boa Páscoa.

papoilasaltitante disse...

Penitência!!!! LOOOOOOOOL Mais uma pecadora no confessionário!!!
Bjs e boa Páscoa