segunda-feira, 17 de abril de 2006

Os manuais escolares

Andam em grande confusão editores, autores, livreiros e ministros, por causa dos manuais escolares. Nem vou entrar nessa discussão! Não quero!
Aqui, neste espaço, só me quero divertir, acrescentando à minha vida perfeitamente normal uma dose de pecado, isto é de prazer...
E o que eu me ri quando descobri este texto do meu livro da terceira classe..
Está nele a marca de um tempo e por isso me dou ao trabalho de o transcrever.
Chama-se: A felicidade pelo estudo
Desde pequenina, a Maria de Fátima gostava de ter os vestidos arrumado e limpos.
De vez em quando, lá deixava algum brinquedo fora do seu lugar; mas bastava uma pequena advertência da mãe para pôr tudo como devia.
Na escola, desde a primeira classe que tem merecido a simpatia da sua professora pela pontualidade com que todos os dias comparece, pela prontidão com que faz os exercícios, pela boa vontade com que escuta os seus conselhos e pelo arranjo e asseio dos livros e dos cadernos.
Não é muito inteligente, mas é das que mais sabem. E o seu amor ao estudo tem-lhe conquistado a amizade e o respeito das condiscípulas.
Os pais julgam-se felizes por terem uma filha assim.
Que prazer eles não terão quando ela fizer o exame da terceira classe!...

5 comentários:

Anónimo disse...

"Ai que prazer não cumprir um dever.." Foram textos como o que transcreves que fizeram de nós o que somos hoje... criativas! Mas para nosso desapontamento, para os ministros/as que interessam textos assim, gente assim como a menina que fez com certeza, o exame da 3ª classe, lê poemas subersivos, mas respeita os horários?...Mana

dakidali disse...

"Não é muito inteligente , mas é das que mais sabe." Pois hoje em dia são todos inteligentes mas não sabem nada.
Beijinhos e bom começo.

papoilasaltitante disse...

LOOOOOOOOOOOOOL esse texto é espectacular...como tu mesma dizes é a marca do tempo!!Subscrevo a opinião da minha antecessora nos comentários ;))))
Bom inicio...
Bjs

Pitucha disse...

O comentário da Teresa merece um prémio!
Beijos

CN disse...

não é muito inteligente?... pois não, era quem mais trabalhava, quem mais estudava, numa sociedade que nunca premiou a capacidade e o profissionalismo, é burrice até. essa menina iria aprender, ao longo da vida, que não importa saber, importa apenas ter um bom padrinho.