segunda-feira, 23 de outubro de 2006

O amarelo da Carris

amarelinho
O amarelo da Carris
vai da Alfama à Mouraria,
quem diria.
Vai da Baixa ao Bairro Alto,
trepa à Graça em sobressalto,
sem saber geografia.

O amarelo da Carris
já teve um avô outrora,
que era o "Chora"
Teve um pai americano,
foi inglês por muito ano,
só é português agora.

Entram magalas, costureiras;
descem senhoras petulantes.
Entre a verdade, os peliscos e as peneiras,
fica tudo como dantes.

Quero um de quinze p'ra a Pampuia.
Já é mais caro este transporte.
E qualquer dia,
mudo a agulha porque a vida
está pela hora da morte.

O amarelo da Carris
tem misérias à socapa
que ele tapa.
Tinha bancos de palhinha,
hoje tem cabelos brancos,
e os bancos são de napa.
No amarelo da Carris
já não há "pode seguir"
para se ouvir.
Hoje o pó que o faz andar
é o pó (???)
com que ele se foi cobrir.

Quando um rapaz empurra um velho,
ou se machuca uma criança,
então a gente vê ao espelho o atropelo
e a ganância que nos cansa.
E quando a malta fica à espera,
é que percebe como é:
passa à pendura
um pendura que não paga
e não quer andar a pé.

Entram magalas, costureiras;
descem senhoras petulantes.
Entre a verdade,
os peliscos e as peneiras,
fica tudo como dantes.
Quero um de quinze p'ra a Pampuia.
Já é mais caro este transporte.
E qualquer dia,
mudo a agulha porque a vida
está pela hora da morte.
O Amarelo da Carris é sem dúvida um transporte que merece estes versos de Ary.
O Amarelo da Carris passeia-se, nos seus humildes carris, pela Lisboa de outros fados e destinos, por outros projectos de uma cidade, porventura bem mais "ela", sempre a aconchegar-se ao rio...
Esta Lisboa, porventura bem mais bela!

Fotografia: Largo da Graça, princípio da tarde. Efeitos especiais importados.

2 comentários:

Laura Lara disse...

E vale bem a pena uma visita ao Museu da Carris!
Beijinhos

chuvamiudinha disse...

Olá, vim conhecer-te para dizer que sou nova nestas andanças e tenho um guarda-chuva que combina com o teu post: é amarelo! Bom dia