segunda-feira, 30 de junho de 2008

Tanto tempo depois

Um dos meus maiores martírios enquanto aluna foi a Geografia.
Para mim, todos os montes eram uma abstracção. Montes mesmo só os Libombos, triste paisagem da janela do frio dormitório do colégio da Namaacha.
Rios, só mesmo o que passa em Marracuene, carregadinho de hipopótamos a mascar ervas, com olhares alucinados.
À Serra da Arrábida, eu continuo a chamar Serra de Palmela. Quando se desenha cheia de beleza no horizonte cheio de tons de pôr-do-sol, quando venho do sul, sei que estou a chegar a casa.
Em contrapartida, compreendia o que me parece hoje ser a abstracção maior: a divisão do mundo em fatias, os fusos e fazia todos os problemas num instante. Diziam que eu era espertinha mas pouco esforçada, estigma que me ficou para a vida.
Há pouco mais de um ano, tanto tempo depois, dou de caras com o Rio Sabor, ele mesmo, ao vivo e a cores.
E agora persegue-me nas páginas dos jornais, em forma de dissabor, a relembrar-me o meu "chumbo" a Geografia, no quinto ano.

3 comentários:

IO disse...

Raios partam o colonialismo!... E ser obrigadi a dizer, com 40º à sombra, que o Inverno começa a 22 de Dezembro?...

Sobrevivemos, Mad', chiça!

beijo, uma que teve Geografia como nuclear no 6º e 7º ano.

IC disse...

Eu não chumbei a Geografia, mas duvido que tenha, na altura, ficado a saber alguma coisa a não ser nomes (re)decorados para o exame e que eram puras abstracções, como dizes. Apesar de todos os males, o ensino da Geografia (e outras disciplinas) há-de estar hoje melhor. Uma coisa que, mais tarde, nunca perdoei ao ensino que "apanhei" naquele tempo foi o ensino da História. Devo ter tido azar, as aulas eram um pesadelo, e os testes ainda mais. Nessa é que não sei como não chumbei.

lol... até me fez bem recordar isto. O meu neto já teve muito sono nas aulas de uma ou outra disciplina, mas foi só numa ou noutra nalgum ano, e não teve nunca nenhum professor que o deixasse jogar a batalha naval nas aulas, enquanto eu jogava nalgumas e as professoras nem olhavam...

P.S. Vamos a ver se te falo um destes dias, Madalena. Os imprevistos... pois, nunca são esperados, senão não eram imprevistos... ;)

Luisa Hingá disse...

História gostava e gosto. Tive um professor que nos testes se punha a ler o jornal e nós podiamos copiar. Só que depois lá vinha o risco de alto a baixo com frases como esta: Copiado...ou cópia integral... nunca levei pq mesmo com o livro aberto não fazia cópias completas...Resumia...
A cadeira que odiei foi Mercadorias....Brrr
Bjs