sábado, 6 de fevereiro de 2010

Resposta à resposta

Pois é, Natália! Tens mesmo feeling para detectar mentiras... Davas uma detective de grande categoria.
Já tu, Teresa, poiiiing!, tens de pedir uma aulita extra à Natália!!!!
Eu explico. Mentira um: futebol é mesmo coisa que não gosto mesmo. (Aí tu acertaste, Teresa!) Fui, ao todo, três vezes à bola. A primeira, em Lourenço Marques, à inauguração de um estádio, o da Machava, acho eu! A segunda, à inauguração do Alvalade XXI. A terceira, quando o Jorge recebeu o emblema de cinquenta anos de sócio. Porque é verdade que eles são todos muito, muito verdes: pai e filhos. Mas a menina cá de casa, a Sofia, é do Benfica. O meu pai era do Porto. Tenho o meu coração tripartido, mesmo sem gostar de futebol.
Mentira dois: a da graxa. Não sei se cheguei a ler algum dos livros da Colecção Aventura. Eu até gosto de livros e filmes para crianças ou jovens, mas estes apanharam-me numa altura em que eu já não dava aulas de Português. Se li, não me lembro. A Alice Vieira li muito. E o Torga também. Li os diários todos e a Criação do Mundo. Li os Contos e os Novos Contos, Bichos e o Senhor Ventura. Ou seja: tenho uma carrada de Torgas e,ao contrário de muitos outros, aqueles li mesmo e bem. Pego muitas vezes nos diários e na Criação do Mundo porque me lembro de passagens que quero reler. Tenho uma "pancada" tão grande pelo Torga que tenho aqui uma "caricatura" feita por alunos do 8ºou 9º anos, em que estou a dizer "I love Torga".
Sou arrependida, sou, Teresa. Reivindico os meus erros, porque eles me pertencem de facto, mas isto é que é conversa fiada, conversa de artista/escritor, Richard Bach (Ilusões). Eu acho sempre que podia ter feito melhor, sobretudo quando alguma coisa corre mal. Tenho muito aquele discurso horrível da culpa! Mas as escolhas têm de ser feitas. Vim para Lisboa e arrependi-me, tal era a saudade. Fui para Odivelas e andei uns anos arrependida. Depois passou e adaptei-me. Vim para o Montijo e nem sabem quanto custou, em tempo e gasolina, o arrependimento. Para aliviar a culpa que sinto em alguns aspectos da educação dos meus filhos, uma amiga cita o Freud: "de qualquer maneira, está mal!". Para não cometer os erros da geração anterior, cometi outros, se calhar bem mais graves. Quanto a ser uma pessoa melhor, eu bem gostava e esforço-me.

4 comentários:

Natália disse...

Olá Madalena
pois é comigo por perto não se pode dizer mentiras,mas confesso que sa tuas deram-me um bocadinho de trabalho.
Beijinhos e um bom domingo

Teresa disse...

Eh, Mad, acertei uma, 50%, não foi assim tão "poiiing" quanto isso.
Ler Torga é de muito bom gosto, modéstia à parte, também conheço um pouco da obra dele(Contos da Montanha, Novos Contos, Bichos... Tenho a Antologia Poética sempre à mão, e é da pouca poesia que revisito.
Um beijo grande, Madalena arrependida,
TeresaP

CMP disse...

Eu gosto mesmo é da foto. : )

May Alek disse...

Também já li o Torga, mas não tanto quanto você. Ai, venho do blog da TeresaM... Posso tratá-la por você? É a forma usual no Brasil, informal, indica proximidade. Não ligo para futebol e também esforço-me para ser uma pessoa melhor. Ah, também sou professora de Português (e Literatura, que adoro)e estive em Londres antes de Portugal.
Fico contente que esteja de volta e bem.
Um beijo carinhoso.