quinta-feira, 3 de junho de 2010

Matar a saudade?

Hoje o dia estava bom era para ler um livro! Estava? Não, não estava. Ler dá trabalho. Dá trabalho aos olhos que têm de focar as letras. Dá trabalho aos braços que têm de pegar no livro e folhear as páginas. Pobres dedos fatigados que terminam em unhas roídas!
(Por que é que eu nunca deixei de roer as unhas? Não sei! Vontade e vaidade não me faltaram. Mas nunca deixei uma única unha crescer, por muito que me pedissem e me envergonhassem. Já não vai ser nesta vida!)
Ler dá trabalho ao cérebro. Muito trabalho mesmo.
O melhor mesmo é não ler e fazer outra coisa qualquer para passar o feriado.
(Tenho testes para acabar de classificar... Tenho assuntos da escola para pensar...)
Hoje o dia estava bom era para ver um filme. Mas o filme tinha de ser muito bom. Não, não tinha de ser um filme para rir. Nem me apetece rir. Logo hoje que ouvi a notícia da morte do João Aguiar. E morre-se assim, sem mais nem menos? Alguém que faz falta ao mundo? Ao nosso mundo? Alguém que explica o nosso passado e tinha um trabalho para acabar? Chorar? Não, também não me apetece chorar. Eu sei que a vida está má, mas há pessoas para quem a vida está muito pior.
Hoje o dia era mesmo bom para ir às compras. Pois... lá está o meu lado mau a vir à tona dos meus hábitos. Comprar o quê? As lojas estão cheias de artigos que ou são caros ou eu não gosto. Vou comprar pão e já é uma sorte. Deus queira que haja pão daquele que eu gosto: escuro, com muitas sementes. Dizem que é saudável! Talvez. Pelo menos o meu gosto e o critério de saúde coincidem quando o assunto é pão.
Hoje o dia era mesmo bom para ver o mar. Mas as "bichas" não são barreira fácil para a minha tão frágil determinação.
Hoje o dia era bom para matar a saudade do meu pai que faria amanhã oitenta e quatro anos.
Matar a saudade? Não. Também não quero matar a saudade porque ele merece esta saudade, esta lembrança dorida que adormece mas não morre.

11 comentários:

Lina Querubim disse...

Um beijinho Mada :o) recordar é viver mas...doí!!!!
Fica com os Anjos

IsaLenca disse...

E a palavra "saudade" é a palavra mais portuguesa e única que temos.

Bom fim-de-semana. Bjs

Nota: este quadro a aguarelas (será) são vários a um conjunto? Está muito giro. Gouveia...é um amigo pintor? Ou é um pseudónimo?
Sou mesmo curiosa :)

O Baú do Xekim disse...

Olá Madalena.

Um bom fim de semana pra si e família.

Beijinhos.

Madalena disse...

Obrigada Lina, Isa e Xequim! Esta "colagem" é feita de retratos dos quadros do meu pai. É! O meu pai é Gouveia! Os porquinhos que abrem o blog também são dele. Beijinhos

May Alek disse...

No fim, a escolha. Estava um dia bom para a escrita. Aquela que transforma a tristeza da saudade na alegria da recordação.

Um belo texto!

Beijos e meu desejo de um fim de semana excelente.

Janine disse...

"Matar a saudade? Não. Também não quero matar a saudade porque ele merece esta saudade, esta lembrança dorida que adormece mas não morre."

Muito bonito, Madalena.
Parabéns ao pai que fez ontem anos. Quem está sempre connosco, nas nossas lembranças mais doces, na nossa vida diária, nos dias de sol e nos dias de chuva, quem deixa obras tão lindas, nunca morre!
Um beijo enorme com muita ternura, ele deve estar orgulhoso pela filha que tem.

Graça Pereira disse...

Saudade não se pode matar...são os laços que nos unem aos que partiram...e , no entanto...ficaram!!
Lindos os quadros do teu Pai...que falam da sua presença e...da sua alma de artista...Parabens,filha estremosa!
Beijos
Graça

Graça disse...

A saudade é só nossa!! não vai morrer nunca!!.
Bom fim de semana.
beijinho

Gatapininha disse...

A saudade é apenas o que nos resta, é tão bom recordar:)
jokas

IsaLenca disse...

Estou a ver que a veia artística está nos genes. O que é motivo de orgulho, sempre.

Bjs

CMP disse...

Querida Mada, quando tento matar a verdadeira saudade ainda me dói mais. Beijinho grande