sexta-feira, 10 de dezembro de 2004

Quem tirou esta fotografia?


Quem tirou, não sei!
Sei quem ma mandou. Tentei encontrar o autor, já que "traz" uma informação de fotologs.net. Não consegui.
Podia ser que encontrasse mais...
Há ainda uma indicação de que é dos anos sessenta.
Como está este sítio agora?
Acho que vou ter respostas!

5 comentários:

espumante disse...

O meu comentário ja aqui fica:
A estrada agora está livre, sem a construção. As barreiras estão algo danificadas pelo arrastamento de águas de chuvas intensas, tal como o piso do Xaracol, aliás... O Naval está mais ou menos na mesma. A rampa para os barcos, a piscina, o posto de rádio e a esplanada. Há muito mais barcos agora... entre eles um que foi meu durante alguns anos. E foi nele e a partir deste local que eu tive o privilégio de assistir aos mas extraordinários cenários acima a baixo do mar, que me foi dado observar :))O velho Covas, morreu... ele que nos mantinha o conforto e asegurança do contacto rádio. É melhor parar, senão ocupo-lhe o espaço todo.
Já agora... ainda não lhe linquei o blog mas vou fazê-lo. É muito estético, tem fotografias lindíssimas e fala-me de lugares e coisas que me são familiares e a que estou muito ligado. Permita-me lançar-lhe uma crítica levezinha... um blog bonito como o seu poderia ter outro nome. "Chora que logo bebes" não é apelativo, para a qualidade que tem. Isto para o meu gosto, claro... :))
Escreva sempre e parabéns !

Anónimo disse...

Eu não fui que, na altura que ia para lá com a minha avó, quem tirava os retratos era o 'monhé' do bazar... _ chuinga.

Madalena disse...

Pois é, espumante, aquela construção é que é da minha infância. A praia privativa e explorada pelos donos (presumo) daquele belo edifício colonial, à beirinha mar plantado estva vedada com a rede por causa dos tubarões.
A saudade dói!
Havia uma prancha de saltos, da qual nunca saltei por medo, muito próxima dos limites da rede.
Ou será que também já a memória me trai?

Anónimo disse...

Confirmo tudo o que recordas, Madalena, e acrescento que nos anos setenta, o restaurante, no andar superior, fazia a melhor omeleta de camarão que já comi _ beijinhos, chuinga.

mmicr disse...

Madalena ficou ainda mais bonita no teu blog...
Quanto ao Caracol que o Espumante fala em cima, está completamente cheio de casas construídas pelo clássico arquitecto António Forjaz. Pelos comments aqui deixados esta zona já deixou "muintas" recordações, eu além de ter tido a sorte de ter um pai com barco e amante do mar, também tive um dos maiores acidentes da minha vida a subir o caracol!. Obrigada pelo teu miminho. Bjos