segunda-feira, 13 de junho de 2005

É pra amanhã!

variações
António Variações despareceu há 21 anos, também num 13 de Junho. Chamava-se António mas não tinha nascido no feriado de Lisboa. Ficou, pela morte, ligado ao dia e à cidade.
Quem conheceu o António Variações não esquece facilmente a figura excêntrica que primeiro chocou e, logo a seguir, encantou. Era uma presença diferente em palco , era uma maneira de interpretar diferente, eram cantigas diferentes, mas com "vida" dentro.
Via e escrevia a vida nas canções de uma maneira que todos entendemos, porque se trata da nossa própria maneira de ver a vida! Isto, quando aceitamos, com humildade, a nossa simples existência como simples.
(Vemos depois, com alguma vaidade, as nossas verdades consagradas na sabedoria universal.)
Quando a cabeça não tem juízo
Quando te esforças mais do que é preciso
O corpo é que paga
O corpo é que paga
Deixa-o pagar, deixa-o pagar
Se estás a gostar

Ou:
É pra amanhã
Bem podias fazer hoje
Porque amanhã
Sei que voltas a adiar
E tu bem sabes
Como o tempo foge
Mas nada fazes para o agarrar

O António Variações aos doze anos sabia que o que queria da vida era muito mais do que a terra onde nascera lhe podia dar. A arte estava-lhe nas mãos, na voz, no pensamento.
E houve um dia em que todos lhe reconheceram mérito.
A vida interrompeu-se mas o valor dessa vida não!
O António mudou de vida mas não mudou de nós.
(Bela homenagem esta! Obrigada!)
Tenho bem gravado na memória o azul transparente dos olhos que olhavam tudo o que estava à sua volta, com muita atenção. Era nas pessoas que conhecia, na vida dita normal, que ele recolhia a matéria para as suas canções.
(Tive a sorte de o conhecer, por intermédio de um amigo comum.)
Muda de vida se não vives satisfeito
Muda de vida, estás sempre a tempo
Muda de vida, não deves viver contrafeito
Muda de vida, se há vida em ti a latejar

Um dia, vi o amigo comum muito triste. O António está a morrer, disse!
Uns dias depois, chegou a notícia.
Era um treze de Junho também. Foi com uma Lisboa cheia de arraiais que o António mudou de vida!
Parece ser um dia reservado, um dia especial para morrer quem é especial, diferente...

5 comentários:

t-shelf disse...

Oh maddy que linda homenagem. O S. António tem sem dúvida muito bom gosto nas companhias que escolhe no seu dia. Que a terra lhes seja leve.

Mitsou disse...

Um beijinho muito carinhoso pela tripla homenagem. E faço minhas as palavras da t-shelf.

C.S.A. disse...

Não me lembrei dele e é bem verdade.
Fico mesmo raso!

Emilia disse...

Olá Madalena:
Como gostei de tudo o que aqui li!
Obrigada,
Emília.

Incompetente disse...

Ó Madalena,

Demasiado competente para o Incompetente. Digno de publicação. Muitos parabéns!

Do António e da sua música também sou fã! Este "Humanos" é uma delícia e não me canso de o ouvir.

Beijos... antoninos!