quinta-feira, 18 de agosto de 2005

Redford, o encantador

Se houvesse uma palavra masculina para diva e outra para estrela, pegava-se numa e noutra palavra e definia-se Robert Redford.
Não é por ser loiro e ter olhos azuis. Não é por ser alto, ou parecer alto, no ecrã. Não é por isso, apenas, mas pelo conjunto de todos os traços que aparentemente correspondem à beleza perfeita e também pela sensação de encantamento que desperta...

"I assumed I would age naturally, as time went on."
Os sessenta e oito anos que hoje completa estão bem visíveis nas últimas imagens que vi. É humanamente correcto assumir a idade, os anos, as marcas dos anos... mas não é fácil. Ainda bem que há pessoas, com estatuto de "estrela", que resistem à tentação e aos meios artificiais de prolongar a juventude. Sendo inevitáveis referências, também nos ajudam a nós, gente vulgar, a envelhecer naturalmente.
Mas Robert Redford não é só o actor.
Em 1980 realizou o filme "Gente Vulgar" e ganhou a cobiçada estatueta da Academia.
Acho que o último filme em que vi o RR foi o Encantador de Cavalos, uma história que mexe com muitos sentimentos.
"Truth is, I help horses with people problems", disse ele!

2 comentários:

Teresa Leite disse...

É o meu actor preferido e não posso estar mais de acordo com tudo o que dizes. O encantandor de cavalos foi também o último filme que vi com RR, mas não posso esquecer "África Minha" que já vi...nem sei quantas vezes.

C.S.A. disse...

Ó Madalena, que bom! Estive vai não vai para postar sobre ele. Lembrei-me do «África Minha». Tinha de ser. Onde ele estava magnífico. E a M. Streep. Mas o filme, ideologicamente, deixou-me alguns ressaibos. Por isso, desisti.
Mas gosto muito do RR e do percurso dele, como actor e como formador.
Beijo.