sexta-feira, 23 de setembro de 2005

A Sissi dos filmes


Rosemarie Magdalena Albach nasceu em Viena, a 23 de Setembro de 1938, primeira filha de uma actriz austríaca, Magda Schneider, e de um director de cinema (dizem uns, outros referem-no também como actor), Wolf Albach-Retty. Recebeu o nome das duas avós, Rosa e Maria, tendo sido, desde criança, tratada pelo diminutivo carinhoso Romy.
O romance com Delon alimentou a habitual curiosidade dos fãs que nunca os separaram, mesmo depois da ruptura dramática.
Em 1980, quase vinte anos depois, a revista Paris Match elegeu Romy e Delon, os artistas preferidos pelo público.
Deste romance ficou uma longa carta de despedida que confessa assim:“Je t´aime. Je t´aime mein Püppchen.»
Já passaram outros vinte anos sobre a sua morte, mas a imagem da imperatriz mais bela do cinema permanece...

4 comentários:

Teresa disse...

Sou muito lamechas e os filmes da Sissi faziam-me chorar em surdina porque tinha vergonha que os outros me vissem. Que saudades!

Armando S. Sousa disse...

Romy Schneider era uma das minhas actrizes preferidas. A minha educação teve muita influência francesa.
Foi bom recordar.
Um abraço.

C.S.A. disse...

Passei para dar um beijinho e vejo aqui a Romy:
víamos a Sissi, eu e as minhas filhas, deliciados, com a lágrima ao canto do olho.
Que saudades!
Beijo, Madalena.

Laura Lara disse...

Com a minha imaginação tresvariada, não consigo deixar de sobrepor a Romy à Sissi. Nas vidas que tiveram, aparentemente com todos os ingredientes necessários para serem felizes, foram marcadas pela tragédia, pela adversidade, pela tristeza... Porquê?