terça-feira, 20 de setembro de 2005

to reach the unreachable star

Sofia Loren faz hoje setenta e um anos. São ainda bem visíveis os principais traços de uma beleza que se afirmou nas películas dos idos anos cinquenta, sessenta e setenta.
Não sei que filmes vi com a estrela italiana. Apenas me lembro de um: O Homem da Mancha, em que contracenava com Peter O´Toole (D.Quixote), no papel de Dulcineia/Aldonza.
Um enredo dentro de outro enredo:Miguel de Cervantes, poeta, dramaturgo e actor, acusado de ofensa à Inquisição, é preso e leva à cena, no enorme calabouço para onde é transportado, a obra ainda manuscrita que pretende salvar da pilhagem ou de outro mau destino qualquer.
O tema musical é precisamente este:
To dream the impossible dream
To fight the unbeatable foe
To bear with unbearable sorrow
To run where the brave dare not go
To right the unrightable wrong
To love pure and chaste from afar
To try when your arms are too weary
To reach the unreachable star

This is my quest
To follow that star
No matter how hopeless
No matter how far

To fight for the right
Without question or pause
To be willing to march into Hell
For a heavenly cause

And I know if I'll only be true
To this glorious quest
That my heart will lie peaceful and calm
When I'm laid to my rest

And the world will be better for this
That one man, scorned and covered with scars
Still strove with his last ounce of courage
To reach the unreachable star.


Sofia Loren emprestou toda a sua beleza e sensualidade a uma Aldonza, companheira de infortúnio do poeta, na prisão, e que por sua vez desempenhou a Dulcineia do sonho de Dom Quixote, o Cavaleiro. (Não da Triste Figura, que esses são os que não sonham!)
Na vida real, Sofia, casada com o realizador Carlo Ponti, perseguiu o sonho de ser mãe. Não foi um sonho impossível, mas difícil de tornar realidade. Para ser mãe, Sofia teve de sair de cena e permanecer em repouso absoluto durante os períodos de gravidez.
Ao lado dos filhos,Edoardo e Carlo Jr, Sofia irradia felicidade, o que a torna ainda mais bela!

2 comentários:

Armando S. Sousa disse...

A Sofia Loren ainda é uma mulher muito bonita apesar dos seus setenta e um anos. O filme que mais gostei com ela foi a adaptação do livro de Alberto Morávia "la Ciocciara".
Um abraço.

Teresa disse...

Concordo que Sofia Loren é uma mulher linda nos seus setenta e um anos. O seu exemplo de vida pública e privada foi e é o que não é vulgar nestas figuras. Beleza, sensualidade, amor pela vida e pelos outros. Fidelidade, por fim.
Tenho pena de não a ter apreciado como actriz.
Espero que estejas mais bem disposta. Amanhã é dia de aniversário, há que festejar com boa cara.