sexta-feira, 2 de dezembro de 2005

Sem anestesia

Pedi anestesia. Riram. Não me levaram a sério!
Preparam-me para a cruel operação, enquanto ao mesmo tempo, num recipiente trazido até à sala principal, se preparava algo que cheirava aos ingredientes do costume.
Depois, sem anestesia nenhuma, nem geral, nem parcial, cruelmente me foram afastando as madeixas e pincelando o "chão da minha cabeça" com o líquido milagroso.
(Temo sempre que estas invasões atinjam o interior da minha pobre cabecita.)
Male%20Hairdresser%20Item190PR
Depois foi a espera: meia hora de "gossip", com volume elevado, para compensar o ruído próprio das máquinas normais neste tipo de intervenções.
Ao fim de umas horas, tive alta.
O problema é que estas coisas recidivam, em cem por cento dos casos, em curto período de tempo.
Espero que amanhã não apareça já a raiz branca que me dá a noção da vida que já vivi e, pela qual, devo sentir-me agradecida.

5 comentários:

luis manuel disse...

É verdade ! A raiz branca trará a noção da vida vivida, facto que por si justifica ser celebrada, aproveitando os confrontos com a realidade.
Envelhecer, não pode ser uma aceitação prévia, de que o processo está em vias de conclusão.
Mantendo a porta aberta, a novas revelações, a novas descobertas, certamente que o agradecimento será enorme.
Um abraço

t-shelf disse...

E que boa foi a nossa conversa durante a pausa para gossip. Espero que tenhas aproveitado para te inteirares das últimas novidades nas revistas da especialidade que se encontram sempre nesses sítios. Hoje de manhã fui fazer análises e o m-shelf aproveitou bem o tempo de espera ;)bjs

Laura Lara disse...

Não há nada que chegue às madeixas naturais (digo eu, sem convicção fundamentalista). Beijinhos

Formiga Rabiga disse...

Ao fim de uns anos fiel à minha "doutora", já não lhe peço anestesias, mas no início portava-me muito mal, sempre a fazer perguntas: já está? não passou tempo demais? tem a certeza que não vou ficar loura? Enfim, tinha muito medo. Depois habituei-me mas tenho ir apenas uma vez por ano, no limite de 8 em 8 meses.

Pitucha disse...

Aiii, as complicações da vida de uma mulher moderna!
Eu fico assim muito quiti,ha e muito stressada a desejar que aquilo acabe depressa!
Beijos