sexta-feira, 2 de dezembro de 2005

Callas, A Divina

“Tem que servir a música.” disse Callas, “Tens que pegar na tua voz e parti-la em mil pedaços, para que ela te sirva a ti.”

Há nas palavras da Divina, como ficou para a história da música e dos homens, o sentido do dever, que a orientou nos palcos mais distantes do mundo.
Distantes eram também as suas pátrias: concebida na terra de que se diz terem tido os deuses morada próxima, na Grécia, foi na longínqua América, em Nova Iorque, que nasceu Maria Anne Sophie Cecília Kalogeropoulos, a 2 de Dezembro de 1923. Os pais, George e Evangelia Kalogeropoulos, tinham chegado à terra dos sonhos em Agosto, em busca de boa sorte e uma vida melhor. A pequenina Maria ali viveu os primeiros anos, em Manhattan, num bairro onde os habitantes eram predominantemente oriundos da Grécia. A família mudou o apelido para Callas e, aos nove anos, Maria recebe as suas primeiras lições de piano.
Depois...

2 comentários:

Armando S. Sousa disse...

Se a designação de "Diva" faz sentido é quando se ouve esta Senhora cantar.
Um abraço e bom fim de semana.

Formiga Rabiga disse...

Noutros tempos a vizinhança devia odiar-me por causa dessa senhora. Agora está cá em casa um acérrimo "protector" desses tais vizinhos : )