domingo, 30 de abril de 2006

A fama ao serviço do humanitarismo

Clooney é a fama, é o sucesso, é a perfeição. Clooney é uma estrela e hoje as estrelas têm também a incumbência de obrigar uma certa humanidade, do lado de cá da fome, a pensar noutra certa humanidade, quase do lado de lá da vida.
Acompanhado pelo pai, Clooney visitou os campos de refugiados que, de acordo com o que disse e viu, nem campos de refugiados são.
«não podemos virar a cabeça e olhar para o lado esperando que de uma maneira ou de outra tudo isso vá desaparecer, porque se o fizermos, é o que vai acontecer-lhes. Eles vão desaparecer».
(...)
«toda uma geração já não estará lá e só ficará a História para nos julgar».

E podemos dormir descansados?

10 comentários:

IO disse...

Excelente 'post', também li no jornal - um beijo, IO.

Kamikaze disse...

Ó Madalena,

Vi a reportagem numa TV qualquer e, confesso, se já o admiro como actor, mais o considero pela entrega a essa causa e pela qualidade de generoso filantropo.

Quanto à tua pergunta no meu Banzai, claro que não estou, nem nunca estive zangado. Se me conhecesses melhor, saberias que eu sou um "paz d'alma", um espírito bastante sereno e tranquilo. Às vezes faço passar essa imagem, mas com um qualquer propósito. Sou mais do tipo da 123, um agitador... de consciências.
Quanto à bola, a coisa hoje correu-nos de feição. SPOOORTING!


Beijos... operários e um bom Dia do Trabalhador!

dakidali disse...

E não podemos mesmo dormir descansados!
O Clooney é um bom actor, um belo homem e pelos vistos inteligente.
Beijinhos

t-shelf disse...

Não podemos nem devemos dormir descansados maddy mas temos de encontrar um equilíbrio satisfatório para por um lado não arcarmos com os problemas do mundo sozinhos e ficarmos extremamente deprimidos a pensar que a vida não vale a pena e por outro gozar a vida como se não houvesse amanhã e fosse rebentar uma guerra atómica. E esse equilíbrio entre o pânico e o desepero é que é difícil. beijinhos

Anónimo disse...

Também não dormi descansada depois de ver a reportagem de ontem,da Catarina Furtado,sobre Moçambique.Fiquei chocada com aquela realidade de miséria extrema.De repente dou comigo a pensar se será admissível revoltar-me com aumentos de impostos ou da idade da reforma perante as verdadeiras desgraças que grassam pelo Mundo...
um grande beijinho e bom feriado
ana pereira

Pitucha disse...

Creio que a nossa tarefa no mundo não é fazer tudo por todos, mas sim fazer tudo no bocadinho de mundo que temos. E se todos fizessem isso, todos dormiríamos descansados...
Beijos

Ni disse...

Pois é não podemos dormir descansados,e o Clooney que se podia dar ao luxo de ir dormir para a praia,anda a tentar "acordar" muitas consciências adormecidas.
Beijinhos neste dia do Trabalhador.
Foste muito,muito querida, no comentário ao post que a IO fez sobre o aniversário da minha mãe.
Obrigada.

BFC disse...

Entendo que não devemos dormir descansados mas mais que isso devemos estar atentos pq os campos de refugiados não estão só em África ou nas zonas de guerra. Podem mudar-lhes os nomes, as definições e até fingir ignorá-los mas mesmo ao nosso lado temos campos de pessoas sem vida, onde a fome e a miséria se confunde com a doença e exclusão. Há pouco tempo fiz uma noite com uma equipa de apoio em Lisboa e durante dias não dormi. Uma sandes, uma t-shirt antiga, um livro usado, uma palavra atenta faz a diferença e a sociedade continua a fingir que não vê. Desculpem já me estou a alongar mas o tema mexe comigo e gostava que a minha geração a quem já alguém ousou chamar de rasca fosse mais activa pq somos nós os de amanhã que podemos fazer alguma coisa por aqueles que sofrem hoje, não na somália, não em moçambique, não na eritreia, mas em portugal. desculpem o desabafo e parabens pelo post.

papoilasaltitante disse...

A minha admiração pelo George Clooney como cidadão universal que se entrega a causas muito justas só aumentou!
Exemplos têm de vir de cima e digo-te concordo plenamente com o que diz a Pitucha!!
Bjs

Anónimo disse...

Very pretty site! Keep working. thnx!
»