domingo, 18 de junho de 2006

"Mas que feia tão bonita!"

Tenho para mim que a beleza das pessoas não é definitivamente um conjunto de traços, um "monte de pedaços" classificados como belos, de acordo com os parâmetros do mundo plástico da moda, não menos plástica.
A minha professora de Filosofia, a Professora Lívia Rocha, é que mo ensinou, nas suas aulas, a propósito dos conceitos de objectividade e subjectividade. Ilustrava a "matéria" com a história de um colega seu de Faculdade que considerava feias todas as raparigas com quem conviviam.
Um dia, apareceu, anunciando um noivado e casamento próximo. Todos entretiveram a espera de contemplar a beleza certa da noiva com conjecturas várias: alta ou baixa? Magra ou nem por isso? Bela? Uma certeza absoluta!
Chegou o dia. Era uma ocasião especial relacionada com as cerimónias de fim de curso.
Espanto dos espantos: a rapariga era vulgar. Talvez até fosse feia. E houve até quem ousasse dizê-lo ao noivo apaixonado, que explicou o seu critério. "Já repararam nas orelhas lindíssimas que ela tem?"
E foi assim que eu fiquei a saber, com fundamento científico, que todas as pessoas são belas.
É o caso de Bethânia, cuja presença enche a atmosfera de uma beleza única: a dela.
Acrescente-se-lhe a voz e temos uma deusa!
E esta deusa nasceu há sessenta anos!

imagem daqui
E depois há as palavras que ela canta como quem diz...
Ando devagar porque já tive pressa
E levo esse sorriso porque já chorei demais
Hoje me sinto mais forte mais feliz, quem sabe
Eu só levo a certeza de que muito pouco eu sei
Ou nada sei

(Almir Sater/ Renato Teixeira)

8 comentários:

125_azul disse...

Hoje deixaste-me feliz! Tenho umas orelhas lindas... pequeninas, juntinhas à cabeça, desenhadinhas. E graças a ti, vou dormir bonita. Só por isso, um montão de beijinhos e o desejo de uma semana feliz!

IO disse...

lol lol lol!! - outra vez?!... ela merece!!, beijo para ti e para ela, IO.

luis manuel disse...

Por uma Canção de Lisboa, passando pela Casa da Mariquinhas.
É uma casa portuguesa, com toda a certeza, aquela que acolheu o combatente convicto.
Entregar a vida por um outro povo, como cidadão de um continente, exemplo de um patriotismo sem fronteiras, a não ser o homem.
Navegar ao encontro das coisas alegres. Bonitas ou não.
Como quem canta, em voz única. Com talento.
Bonita ou não. Feia ?
Alegres e soberbas na sua arte.
Seria uma acção má e tola" julgá-las pela sua imagem...

Beijinhos

dakidali disse...

Canta e encanta. É linda sim Senhora.
Beijinhos

Ni disse...

Não consegui comentar no Chuinga mas graças a ti(mais uma vez)posso dar os Parabéns à "minha"Diva.
Um beijo Maricotinha.
Não é bonita nem é feia é a Bethânia e está tudo dito.

Pitucha disse...

E a voz? Haverá coisa mais bonita do que a voz da Maria Bethânia (talvez o nome, que acho mágico!)
Beijos

IO disse...

Ni, já lá está... E hoje, 19, o dia é do Chico Buarque!!

espumante disse...

E dizer à boca cheia,
Mas que feia...
Tão bonita

Outra feia bonita, esta portuguesa, que teve o azar de ser conotada com o nacional cancenotismo salazarento mas que, afinal, a única culpa que tinha era ter uma das mais maviosas e bem timbradas vozes portuguesas. Não sei sequer se já morreu, chama(va)-se Maria de Lourdes Resende.
Mas isto digo eu, que sou mais velho que tu :)
Quanto à Maria Betânia, estou contigo, gosto de a ouvir, embora não goste do mano, a não ser quando canta o "leãozinho". Já de vê-la, ok ela pode ter as orelhas bonitas , o problema e que a cara dela é igual a uma da minhas sogras. Ainda hoje quando vejo a Maria Betânia espirro e dou duas voltas à cadeira :))
Beijinho e boa segunda.