domingo, 18 de fevereiro de 2007

Era uma vez...

... o sonho de chegar depressa, ao outro lado do mundo.
Era uma vez o sonho de voar!
Se os mínimos seres que são as aves estão além e logo, logo, mais além ainda, no mesmo minuto, o homem, esse ser superiormente inteligente, não conseguirá imitá-las?
Talvez o segredo esteja na existência das asas, uma espécie de braços, sem mãos e cobertos de penas. Braços mais compridos do que pernas.
Os homens tentaram asas, como fez Dédalo para si e para o seu filho Ícaro, para fugir do labirinto, invenção sua para guardar o meio-homem meio-touro, Minotauro.
O Velho do Restelo registou para sempre, no poema maior, a sua reprovação:
Não cometera o moço miserando
O carro alto do pai, nem o ar vazio
O grande arquitecto co'o filho, dando
Um nome ao mar, e o outro fama ao rio.

Pobre pai que não contou com a inexperiente ambição do filho que tanto se aproximou do sol, que as asas se derreteram e nenhuma divindade lhe valeu, pagando caro o erro da juventude: ir para além do além possível.
O ar, o mar, a terra! Para vencer o espaço é preciso conhecê-los bem, estudá-los muito!
E o sonho cumpre-se!
Gago Coutinho, português, nasceu na Madragoa, outra maneira de dizer Lisboa, a 17 de Fevereiro de 1869 e morreu em Lisboa, noventa anos e um dia depois e depois de ter dado ao mundo muito do seu saber e todos os seus estudos, que hoje nos permitem mágicas deambulações entre fusos horários, gentes e civilizações tão distantes.
O seu nome ficou indelevelmente, fraternalmente ligado ao de Sacadura Cabral, seu companheiro de mares e ares, seu irmão de sonho.
E porque os sonhos não têm preço sujeito às variações da bolsa, foi nos "vinte escudos" que se fixou a homenagem a Gago Coutinho. O autor conseguiu imprimir na nota de vinte o olhar de Gago Coutinho em direcção ao futuro!

Estas linhas são para a Luh e todos sabemos porquê!
Em directo, da terra das amendoeiras em flor...

1 comentário:

Luísa Hingá disse...

E eu só agora o li. Desculpa. Como "castigo" (risos vai direitinho para o Blogueios.
Beijinhos e muito obrigada.