segunda-feira, 16 de julho de 2007

Sinais dos tempos

A 16 de Julho de 1966, «numa iniciativa que constituiu um êxito» e que se ficou a dever ao Clube das Donas de Casa, foi eleita, no decorrer de um jantar realizado no Restaurante Folclore, a Mulher Ideal Portuguesa. A feliz contemplada foi Magda Carol Rodrigues de Paralta Bastos Guimarães Abreu, de 25 anos, casada e mãe de uma filha. Concorrerá, em Agosto, na Itália, ao título de Mulher Ideal Europeia.
Será que aos vinte e cinco anos já a Magda tinha conseguido provar ao país e ao mundo que os seus dotes eram os certos para a função nobilíssima de ser dona de casa?
Cá para mim, ser dona de casa é acordar já com ementas na cabeça e uma lista de compras muito urgente: peixe, carne, alfaces, couves, repolhos... É fazer logo a cama, quase antes de acordarmos e, se acaso nos vamos ausentar, nem que seja por breves momentos, deixar a casa com uma aparência de arrumação e limpeza. A casa da dona de casa não tem um milímetro de pó! A casa da dona de casa tem de estar sempre apresentável: os sanitários devem reluzir, os "inoxes" idem, e o que não brilha tem de se fazer brilhar.
Em toda a minha vida só conheci duas donas de casa exemplares e complementares: a minha avó e a minha tia. Viviam na mesma casa e, sem ajuda de quaisquer criados, faziam as tarefas todas, de modo a que os mais pequenos vivessem felizes os seus dias azuis da infância e os homens encontrassem em casa a recompensa de um árduo dia de trabalho. Como se o trabalho de casa não fosse árduo também!
Felizmente, as coisas mudaram e agora as donas de casa são mais do género desesperado. Eu incluo-me no género, claro!imagens daqui

9 comentários:

gato vadio disse...

Os concursos de Mulher Ideal, como os concursos de beleza, servem para cativar olhares, pregar traseiros no sofá para que uma vez presos, possam engolir a seco os spots publicitários que muito rendem aos senhores organizadores de coisas dessas.. noutros tempos como nos dias de hoje..

IO disse...

lol, estas flausinas fizeram-me lembrar as bonecas de papel que vestíamos, por um lado e, por outro, as do filme "Longe do Paraíso".
Já o início do teu 'post' recordou-me uma da minha turma que veio a Portugal (então metrópole) ser eleita a 'rapariga ideal' - também devia ter todos os dotesda boa escrava...

Beijo, Mad', IO.

Pitucha disse...

As coisas que tu nos lembras!
Pois eu, além de desesparada, sou um caso perdido!
Mas também não estou a concorrer para nada.
Beijos

casadaponte disse...

Sabes que no "meu tempo" na Escola Comercial tínhamos uma disciplina que era economia doméstica. Com notas e exame. Tínhamos que saber como se lavava e passava a roupa. Fazer barrelas, que levavam eu sei lá o quê...como se limpava a casa. Sim, devia ter que se obedecer a um esquema.Claro que eu nos tstes levava sempre o caderno de apontamentos e suponho que a professora- que habilitações teria? Esposa de alguém suficientemente importante para lhe arranjar um tacho daqueles-percebia perfeitamente o nosso copianço.Penso que dispensámos todas de exame. Aquilo é que éramos uma donas de casa...
Creio que os "meninos", já que as turmas não eram mistas, teriam outra disciplina que não esta. Talvez como verificar se a casa estava limpa e a roupa devidamente tratada!...
Mais uma no Clube do desespero!
Adorei os desenhos. Também me fizeram lembrar as bonecas de papel e os figurinos que algumas modistas usavam!
Beijinhos Madalena
M.Dores

espumante disse...

As coisas mudam mas o pano de fundo mantem-se. Se as prendas femininas eram, ah altura em que falas, tomadas como exemplo de um ideal de virtude, hoje usa-se a mulher como padronizaçao de habitos, costumes, ideias e conceitos. Mais ou menos isto. O sonho de uma mulher nos anos sessenta em ganhar um concurso de mulher ideal portuguesa nao varia muito da intensidade com que muitas mulheres sonham em ser hoje seleccionadas para a gloria efemera de um show televisivo.
Temos de convir que nao ha culpados directos neste tipo de coisas. Nem os homens nem as mulheres. A culpa serah sempre do fenomeno evolucionista do individuo humano, mantendo intactas algumas das idiossincrasias que se mantem como imagem de marca. E aqui, arrisco-me, mesmo sob pena de levar com o rolo da massa :))), a achar que a mulher contribui com muito mais decisao que o homem para este estado de coisas.

beijinho

Madalena disse...

Bem, vamos às respostas, começando pelo rolo da massa, para o assunto ficar arrumado... lol
Ó Espumante, lamento mas a primeira rolada de massa vai mesmo para aquela tua ideia de que as mulheres sonham com a tal glória do show tlevisivo. E os homens? Não sonham? Cá a mim parece-me que sim!!! A segunda rolada é mesmo a que tu pedes. então tu achas que a mulher tem mais decisão neste estado de coisas? Ó meu amigo, mais uma vez os homens com o rabito de fora, não é? As mulheres conquistaram com esforço uma determinada igualdade de oportunidades que lhes sai cara, pois não se livraram das outras tarefas de donas de casa. Mas pode ser que a coisa ainda melhore na geração que se segue, a dos nossos filhos e filhas... lol
Beijinhos com rolo da massa e tudo.
Gato, pois é, a receita deve ser a mesma dos realit shows e parecidos. Chuinguita, um beijinho pela palavra flausina, que são umas raparigas como nós... lol
Querida Pitucha, ainda bem que és um caso perdido. Fico orgulhosa! Beijinhos! Maria, eu sabia da existência dessa disciplina. LOL
Somos mais as desesperadas do que as ideias... Ainda bem
Beijinhos, também para ti!
Obrigada pelas visitas.

espumante disse...

Apeteceu-me picar-te um bocadinho and I think I succeeded...
:)
Em todo o caso ainda penso que nao me expressei da forma mais conveniente, pois caho que nao me entendeste bem.
Beijinhos :))

Anónimo disse...

Olá Amiga!
Como já percebeste quem sou, fica a saber que este comentário não vem nada a propósito dos sinais dos tempos. È uma porta como outra qualquer, por isso foi por aqui que entrei. Vamos ao que interessa:
vai lá dar uma espreitadela ao http://terminal23.blogspot.com
Adivinha...

Anónimo disse...

Olá Amiga,
Cá estou e pela mesma porta!
Estou desiludido: então de 15 até hoje, não se actualiza nada?
Depois... estás mesmo baralhada; eu explico: o blog Terminal23 não é meu, então? Eu sou o pai!!!