quinta-feira, 13 de novembro de 2008

(...)

Continua a doer-me esta incompreensão. Não consigo entender que alguém, com tanta responsabilidade e tanto poder, não consiga perceber que é preciso reparar injustiças, que é preciso evitar erros maiores, que é preciso ouvir, que é preciso compreender as razões dos outros ou, pleo menos, tentar fazê-lo.
Há trinta e três anos que "piso os palcos". Quando comecei, eu era pouco menos jovem que os alunos. Ninguém me tinha ensinado a ser professora. O meu guião foi todo elaborado com base na memória ainda fresca de aluna.
A primeira vez que entrei numa sala de aula, tremi dos pés à cabeça. Os alunos olharam-me e avaliaram a minha insegurança, o meu medo, a minha inexperiência. A partir daquele momento, não havia recuo possível. Tinha de lhes mostrar que tinha também vontade, entusiasmo, esperança.
E ando há trinta e três anos nisto. O meu guião agora é ditado pela a experiência, hora a hora, aula a aula, aluno a aluno.Eu sei que a paz vem de dentro. Mas a paz de fora também ajuda!
Fotografia: inspiração daqui

2 comentários:

IO disse...

Esta miúda é mesmo um mel! - IO & chuinga.
Para a miúda deste blog, um beijo solidário, prof'!
Uma que na escola, sobretudo, se divertiu - como dizia o Fellini e eu assino em baixo.
E trata de ir a Paris.

Ni disse...

Sentei-me no banco...que PAZ!
É do que precisamos...mas para a alcançar,obrigam-nos a lutar.
De mãos dadas,todos,vamos conseguir provar,que só temos um objectivo,partilhar.
Um beijinho ternurento.