domingo, 16 de maio de 2010

Azul em tons de rosa!

Hoje foi um daqueles dias de "bebedeira de azul" de que fala Gedeão!
O rio estava azul. O céu estava azul. Ao longe, o mar deixava-se adivinhar azul.
Andei nos barcos para lá e para cá, margem esquerda, direita, esquerda, direita e esquerda outra vez. Subi à Torre Gémea, no Porto Brandão. Gémea da Torre de Belém que lhe disputa o protagonismo da entrada da cidade, da saída para a conquista, da saudade das despedidas, das vozes de um Velho. A gémea de Porto Brandão jaz agarrada à terra e à memória de si mesma, sem tectos, segurando-se às paredes que resistem à vida há mais de quinhentos anos. Vamos a contas: até ao 1755 ela resistiu!
Enquanto isso, junto à bela Torre de Belém, milhares de mulheres vestidas de cor-de-rosa, celebravam a vida para além do medo. "Além da dor", Fernando Pessoa disse. Correram contra o cancro da mama. Como dizia o motorista do táxi, que nos levou a Belém pela manhã, aquela "confusão" valia a pena. Era a dor e o medo de quem está perto a falarem por ele. A minha mulher vai ser operada, acabou por dizer.
À uma da tarde, vindos de todos os lados, misturavam-se os turistas e as mulheres da T-shirt cor-de-rosa. E reinava a alegria verdadeira de quem confia. Isto está no papo, percebia-se. O que estava no papo não era a vitória do Porto ou do Chaves. O que estava no papo, e está no papo!, é a certeza de se poder pôr o cancro de lado e seguir com a vida para a frente.
No regresso, o eléctrico vinha cheio. Cheio de cor-de-rosa. Cheio de esperança. Cheio de confiança.
Para a próxima também vou. Fica a promessa. Hoje elas correram também por mim e, por isso, eu agradeço, cá de dentro, mesmo do peito, do mesmo peito onde mora essa confiança.
(Estrelinha, esta esperança é para ti!)

9 comentários:

Natália disse...

Obrigado Madalena
beijinhos

May Alek disse...

Que texto lindo, Mada!
Parabéns pelo blog, por sua persistência, pela beleza e inteligência de suas palavras. É um prazer vir aqui.
Um beijo carinhoso

Isabel Preto disse...

Sim...é destes dias de "bebedeiras de azul" que vive a nossa alma...e da esperança desse cor-de-rosa, tão especial.
Boa sorte estrelinha.
Beijinhos, Madalena.

Lina Querubim disse...

Uma boa bebedeira de azul e rosa, vamos acreditar assim como todas aquelas Mulheres que foram correr por elas, por nós, por todas!!!
Beijinhos

Janine disse...

Como sempre, um texto cheio de alma! ;) Lindo! Tão lindo como a "bebedeira de azul" e como a bebedeira de rosa... A bebedeira de esperança que embriaga todas na mesma corrente, como se de uma enorme família se tratasse...
Uma Família Poderosa, onde abundam o Companheirismo e a Amizade...
E que bela Família! ;)
Um beijo em tons de rosa e de azul, com muito carinho.

EVISTA disse...

Eu vou no dia 30 vestir-me de rosa na corrida do Porto! "corrida" teórica, porque vou naturalmente a passo...rápido na Esperança de dar o meu contributo num causa que é de todas nós.
Beijinhos
M.Dores

Anónimo disse...

Madalena..tu escreves que é um espanto!!!!
Já tou bêbada com tanta harmonia...nas palavras, no ritmo das frases e das imagens...na bela mensagem que nos passas...
Lindo
TeresaM

O Baú do Xekim disse...

Olá Graça, boa noite.

Bom fim de semana em família.

Beijinhos

maguie disse...

Querida Madalena
foi um prazer conhecê-la, obrigado pelas palavras que escreveu no livro, obrigado de coração
beijinhos
Maguie
..