sexta-feira, 15 de abril de 2005

As pontes

25 de abril
Esta não é a minha ponte, mas, mesmo assim, devo render-lhe uma homenagem.
Foi esta a primeira vista que eu tive do avião, quando cheguei à mítica capital do reino, à Metrópole, como era Lisboa conhecida nas paragens distantes.
Já passo "sobre" os seus tabuleiros há trinta de cinco anos e nem mesmo assim deixo de a temer.
"Sob" os seus tabuleiros experimentei apenas uma vez e acho que não vou repetir... Ainda é mais estranha a sensação.

6 comentários:

Anónimo disse...

Também lembro com alguma nostalgia os tempos em que para chegar a Lisboa era uma incógnita. Nostalgia porque passaram muitos anos e felicidade pela existência da nova ponte e pela rapidez com que chegoa Lisboa, sem ter uma crise de taquicadia e de agorofobia. Lembras-te dos exames da Inês e do Diogo? E o teu telemóvel, inovação na altura.Já eras dotada para as novas tecnologias. Como tu, gosto mais da nossa ponte. Ainda não experimentei o comboio.

Cinda disse...

Não gostaste do comboio? Ainda não experimentei. Beijinho grande e um óptimo fim de semana :)

Anónimo disse...

Sob, passo todos os dias, de comboio, ainda não caiu... quanto à ponte, ainda que seja 'cópia' é bonita!, beijo, IO.

Laura Lara disse...

Quando cheguei à Metrópole, ainda não havia pontes a ligar Lisboa à margem sul. Cheguei de barco. Demorou trinta e muitos dias...
E por aqui chamava-se pequeno almoço ao mata-bicho, frigorífico à geleira, telefonia ao rádio, autocarro ao machimbombo, fecho-éclair ao zip, pastilha elástica ao "chuinga", gorjeta ao saguate, chique ao chibante e, no colégio de freiras, madres às "mameres". E mais não digo porque toda a gente sabe. Tá-tá. Adoro surpresas.

Anónimo disse...

Pois a ponte é imponente,mas agora que tenho uma alternativa menos "fóbica",prefiro olhá-la de longe...Coisas da idade,porque recordo hà uns anos atràs adorar atravessá-la.De preferência bem devagar, para disfrutar da vista.
Quanto ao comboio,SÓ ANESTESIADA conseguiria...
ana

Madalena disse...

Teresa, obrigada pelo teu comentário. E pela recordação desses tempos dos exames do Diogo e da Inês. Eu dizia que fazíamos viagens interespaciais, tal era a sensação e a tensão. Viva então a nossa ponte. Cinda, o teu "mergulho" está lindo mas vou dizer-to lá, ao teu lugar. falar de mergulhos neste post, até arrepia.
Chuinga, tão pragmática e verdadeira. Com a tua alma de viajante, fizeste logo um "balão" até à ponte original.
Laura, esta não é ainda a surpresa par ti. Obrigada pelo enriquecimento lexical da saudade.
Ana, eu também só volto a passar anestesiada. Posso contar contigo?
Beijinhos para todas!