sexta-feira, 22 de julho de 2005

A canção francesa do nosso contentamento

mm
Mireille Mathieu apareceu empurrada pela esperança de ser uma reedição viva da mítica e poderosa voz de Piaf. Impôs-se nas nossas adolescências, com o seu estilo próprio, com o seu repertório (ou reportório) romântico, perfeitamente adaptado aos verdes sonhos não menos românticos.
Fui à procura do meu caderninho de cantigas e lá estavam as cantigas francesas. As que eu ouvia e ouvia e decorava as letras, embora nunca tenha sabido cantar nem uma linha... Mas as letras, sabia-as todas! E que ajuda me deram no meu Francês!
(Será que os professores sabiam que tinham nos cantores os melhores aliados na tarefa de ensinar uma Língua Estrangeira? Eu hoje sei, porque a minha experiência foi esta...)
quand tu t'en iras
Mireille ficará com dezanove anos,nos nossos sonhos, para sempre, embora hoje vá apagar cinquenta e nove velas.
(Será que ainda tem a franja com bico, que ditou a moda das raparigas da época?)
À la santé, Mireille!
L'Hymne a l'amour

6 comentários:

IO disse...

Que giro, Madalena!
Tens no meu bló um link de música francesa, se precisares de mais... - beijo, IO.

Incompetente disse...

Ó Madalena,

Que saudade do apogeu da "demoiselle d’Avignon" e da outra menina de quem eu tanto gostava, chamada... Françoise Hardy.
Lembras-te?
Grande fã das duas, o Incompetente.
Ainda tenho um dos últimos LPs em vinil da Mireille(não sei bem onde). Creio que o comprei em Paris (há uma eternidade!).
É bom recordar! Eu que sempre fui (e ainda sou) grande apreciador da música francesa.

Beijo saudoso!

magude disse...

A mim na escola só me ensinaram o "L'étè Indien" do Joe Dassin, mas a coisa pegou de estaca e volta e meia lá estou eu assobiar a melodia e a trautear " on ira où tu voudras..." :)
E sou mais para ouvir o Léo Ferré que a Mireille...
Beijinho Madalena.
José Carlos.

C.S.A. disse...

O que adorei neste post, Madalena, foi o título.
Deixa-me fazer-te uma pergunta: e o ADAMO, lembras-te? As miúdas pelavam-se por ele.
Bjo.

Anónimo disse...

Que giro Madalena!Lembro-me tão bem desses tempos em que a música francesa estava no auge e sabiamos as letras todas.Et les yeux dans les yeux et la main dans la main...
Houve um,bastante mais fugaz,mas que também gostava,o Cristophe.Finalmente veio a fase do Brel e veio para ficar!
um grande beijinho
ana

Laura Lara disse...

Madalena
Apesar de ser uma nódoa em música, que de ouvido sou tão dura que nem distingo as notas (degenerei, que o meu pai até violino tocava), recordei-me de uma outra cantora francesa, de quem nunca mais ouvi falar, de nome Patachou. Julgo que ainda terei em Lisboa um LP dela e de George Brassens. Não garanto. Obrigada por me fazeres recordar.
Beijinhos bem desafinados.