quinta-feira, 15 de setembro de 2005

À descoberta

Como sempre, ando por aqui à descoberta.
Hoje encontrei uma autora brasileira, Lya Luft, que celebra também o seu aniversário, tal como o nosso Bocage que nasceu em Setúbal, há duzentos e quarenta anos.
(Não sei se os astros podiam dar aqui uma ajudinha na explicação da irreverência também presente no pensamento desta escritora brasileira, como se pode ler aqui.)
Muito se falará de Bocage, espero, neste dia de aniversário. A ele devemos o contributo imenso que depositou, para sempre, no nosso património e, por isso, muita gratidão! Mas gratidão é coisa que muitos não sabem sentir, porque fica para lá dos umbigos e o umbigo, como sabemos, é um tapume.
Voltarei com Bocage.
(Encontrei uma fábula mas terei de a copiar letra a letra... Valerá a pena, eu sei!)
Agora deixo aqui a Canção na Plenitude que tem muito para dizer às mulheres da minha geração e uma pista de esperança, para as que serão amanhã mulheres de meia-idade.

Canção na plenitude

Não tenho mais os olhos de menina
nem corpo adolescente, e a pele
translúcida há muito se manchou.
Há rugas onde havia sedas, sou uma estrutura
agrandada pelos anos e o peso dos fardos
bons ou ruins.
(Carreguei muitos com gosto e alguns com rebeldia.)

O que te posso dar é mais que tudo
o que perdi: dou-te os meus ganhos.
A maturidade que consegue rir
quando em outros tempos choraria,
busca te agradar
quando antigamente quereria
apenas ser amada.
Posso dar-te muito mais do que beleza
e juventude agora: esses dourados anos
me ensinaram a amar melhor, com mais paciência
e não menos ardor, a entender-te
se precisas, a aguardar-te quando vais,
a dar-te regaço de amante e colo de amiga,
e sobretudo força — que vem do aprendizado.
Isso posso te dar: um mar antigo e confiável
cujas marés — mesmo se fogem — retornam,
cujas correntes ocultas não levam destroços
mas o sonho interminável das sereias.

mardeplenitude
E o mar anda sempre por aqui...

9 comentários:

Laura Lara disse...

Estou sempre a aprender. Não conhecia Lya Luft. Agora estou cheia de interesse. Obrigada e beijinhos

Emilia disse...

Obrigada Madalena!
Só uma pergunta sobre o teu "post" anterior: será por haver profesores (as) como tu que dizem tão mal de nós? Se calhar... vá-se lá saber!!!!!
Um grande abraço,
Emília.

Emilia disse...

Correcção da gralha no comentário anterior: onde se lê profesores, deve ler-se professores.
As minhas sinceras desculpas. Às vezes falha o dedito!!!!!!
Emília.

Tito disse...

Tanto escritor brasileiro, porquê a Lya Luft (Paulo Coelho de saias)...
Antonio Assis Brasil, Paulo Rodrigues, Patrícia Melo, João Gilberto Noll, ora cá estão alguns bem mais interessantes.
cumprimentos

Madalena disse...

Porque os outros não escreveram esta "Canção na plenitude" e esta escreveu. É linda! Não acha?

espumante disse...

Na tua busca, passou-te ao lado a morte de Robert Wise, com 91 anos, realizador do "Sound of Music" e do "West Side Story".
Não gostaste?
:)

Madalena disse...

Por acaso não busquei, mas ouvi na TV. O West Side Story era um dos filmes preferidos do meu pai. Eu acho-o violento e a Natalie Wood não fica bem naquela violência. Isto é só o meu sentir, claro! A Música no Coração, quem não gostou? No post nineteen going on twenty, havia uma certa influência da cantiguita do par de namorados não havia?

espumante disse...

Claro que havia... :)
Só que no filme era "I am sixteen, going on seventeen"
Muçher arguta :))))

Tito disse...

sinceramente continua a parecer-me discurso de auto-ajuda... onde Lya Luft tão bem circula ( ver "Perdas & Ganhos")
Ainda assim prefiro a poética delico-doce de robert wise:

Raindrops on roses and whiskers on kittens
Bright copper kettles and warm woollen mittens
Brown paper packages tied up with string,
These are a few of my favorite things.

Cream coloured ponies and crisp apple strudel,
Door bells and sleigh bells and schnitzel with noodles
Wild geese that fly with the moon on their wings,
These are a few of my favorite things.

Girls in white dresses and blue satin sashes,
Snow-flakes that stay on my nose and eye-lashes,
Silver white win-ters that melt into spring,
These are a few of my favorite things,

When the dog bites,
When the bee stings,
When I'm feeling sad,
I simply remember my favorite things,
And then I don't feel, so bad.