quinta-feira, 27 de abril de 2006

A explicação que faltava

Graças a alguém que estima este reduto de afectos - em que as pessoas ainda se tratam bem, onde dispensam, na maioria dos casos, a agressividade dos dias normais - dizia eu que, graças a alguém, chegou ao meu conhecimento a tal explicação científica! Obrigada, Chuinga Swing.
Chora Que Logo Bebes ou Chora-Que-Logo-Bebes é o nome da aldeia onde nasceu João sem Medo, protagonista das Aventuras de João sem Medo de José Gomes Ferreira. A aldeia, onde se gela e os homens ganham verdete, é habitada por pessoas tristonhas e chorosas.
O nome desta povoação fictícia corresponde, possivelmente, a uma alteração do provérbio, ou expressão popular, canta que logo bebes. O sentido que se dá a este provérbio em algumas aldeias transmontanas está associado à possibilidade de todo o esforço ser recompensado.
A alteração feita, transformando o verbo cantar em chorar, assenta nas cara(c)terísticas inusitadas da aldeia. Se, cantando, a garganta pode secar e beber poder ser considerado uma recompensa, chorando tal não acontece e beber torna-se desnecessário. Desta forma, o próprio nome da aldeia contribui para a construção de um mundo às avessas como é o de Chora-Que-Logo-Bebes, aldeia habitada por gente infeliz e que está separada da Floresta Branca, onde moram os sonhos e os mitos, por um muro no qual está escrito o seguinte aviso: É proibida a entrada a quem não andar espantado de existir. É esse muro que João sem Medo vai saltar para viver um conjunto de aventuras e regressar convencido de que vai conseguir mudar a sua aldeia, mas acaba enriquecendo a produzir e vender lenços de papel!
Embora concebida para crianças, a obra é interpretada como sendo uma alegoria ao Portugal do salazarismo.
Refira-se ainda que existe uma página na Internet, que tem como título o nome da terra natal de João sem Medo: chora-que-logo-bebes.blogspot.com/" TARGET="_blank">chora-que-logo-bebes.

Edite Prada , no Ciberdúvidas, de Outubro de 2004
Eu dei,no primeiro dia, a minha explicação.
Mas já lá vão quase dois anos.
Isto quer dizer que tenho de começar a pensar na festa de aniversário do Chora, como é conhecido entre os "íntimos" :))!

10 comentários:

Alexandre disse...

Deliciosa esta explicação Madalena!

Mais um post altamente instrutivo, carregado de boa disposição!

Um beijinho,
Alexandre

IO disse...

Oh e-leitores da Madalena, digam lá que não é um orgulho conhecermos um 'fenómeno' da lusa língua, k'até vem no ciberdúvidas?... - beijo divertido à estrela, chwing.

dakidali disse...

Bolas, bolas, bolas. Ganda Madalena.
Beijinhos

Pitucha disse...

E, na festa, vais ter que dar autófafos...
;-)
Beijos

Patrícia disse...

Obrigada Madalena! Confesso que sempre senti muita curiosidade sobre do teu blog. Também quero um autógrafo. Beijinhos e bom fim de semana!

Patrícia disse...

Dei o recado ao João... Já se redimiu... tem-te cá um respeitinho! A tua opinião é muito importante! Assim é que é!!!

Janeca disse...

Não tinha lido o post inicial sobre nome do teu Chora, mas sempre me pareceu que teria origem numa história ou em algum ditado popular. Tal como o Alexandre disse, a explicação é deliciosa.

A curiosidade levou-me a fazer uma pesquisa no webboom sobre o José Gomes Ferreira e não têm disponíveis livros seus. Não me parece um escritor assim tão obscuro. Até já ouvi falar nele algumas vezes...
Aproveita bem o fim-de-semana prolongado porque por este andar não há reformas para ninguém...

João

eduardo disse...

Festa? Falas em Festa?
Vamos a isso!
Meia dúzia de pastéis de bacalhau, umas garrafitas de "Alentejano" e muitos livros e quadros. Histórias muitas que possuis e memórias.
Como só tu sabes contar.

Cá estarei.

Beijokas

lique disse...

Gostei da explicação. Não sabia e não li quando a fizeste, da primeira vez.
Então estamos quase em festa? Dois anos é muito tempo. Eu que o diga... :)
Beijinhos

papoilasaltitante disse...

Parabéns antecipados pelos dois aninhos... é muito tempo!!
Continua por cá!!
Bjs