terça-feira, 22 de julho de 2008

...but I prefer chocolate!

Vou tentar escrever um post interessante. Sem ironias. O Professor Ramiro Marques publicou no seu blog Profavaliação umas dicas e eu vou tentar pôr em prática os ensinamentos. Até porque o sitemeter diz que os meus leitores diminuíram... snif snif. Fico logo com complexo de Calimero!
O problema é que a matéria-prima do post interessante não é por si mesma interessante. Trata-se mesmo de mais uma das medidas impulsivas do Ministério da Educação que chocam e magoam quem "anda na faina". Fora de todos os tempos. Uma medida saída do nada, que faz eco na Comunicação Social, jornais, televisão, como se de alguma solução para os problemas dos alunos daí adviesse.
De acordo com o documento, publicado em Diário da República, cada professor deve leccionar à mesma turma mais do que uma disciplina, assegurando o ensino das áreas associadas ao seu grupo de recrutamento como Matemática e Ciências da Natureza ou Português e História, por exemplo."
Senhoras e Senhoras, isto já se faz! Não por conta do decreto ontem publicado, mas por conta do bom senso da distribuição do serviço lectivo e em casos em que se considera ser proveitoso para o sucesso dos alunos.
Além das disciplinas associadas à sua área de formação, ao director de turma caberá ainda dar Formação Cívica e, se possível, uma outra área curricular não disciplinar, como o Estudo Acompanhado e a Área de Projecto.
No ano passado eu, Directora de Turma de um quinto ano, leccionava Inglês, "dava" Formação Cívica e Área de Projecto. (Tinha escrito "leccionava", mas senti falta de verdade na palavra. "dava" também não é a palavra exacta. Talvez tomasse conta das crianças e me propusesse a reflectir com eles sobre umas quantas coisas da vida!!!!)E não havia decreto!
Para que serve então um Decreto?
Em tempos que já lá vão, às equipas de elaboração de horários era dada formação para que objectivamente os horários dos alunos e dos professores assegurassem todas as condições preconizadas pelos especialistas em ensino/aprendizagem. Tais como: intervalos de refeição, distribuição de aulas mais teóricas e menos teóricas, aulas em que há esforço físico, etc.
Mas isso era dantes, quando uma hora na escola era de 50 minutos de aula e dez de intervalo. Quando havia cinco horas de Língua Portuguesa, quatro de Matemática, quatro de Inglês e havia tempo para programar e sonhar brincadeiras que ajudam a crescer e ensinam coisas que também é preciso saber para além do dois mais dois ou do abecedário...
Afinal a propalada autonomia das escolas é cada vez menos autónoma e cada vez mais possível de existir por decreto.
Não sei porquê, mas fiquei triste. Não devia ter pensado nestas coisas e muito menos devia tê-las escrito.
Mas está dito, está dito.
Parece fácil demais falar do bem-estar das crianças através de um decreto.
E o leite escolar no segundo ciclo? Que é dele? E os auxílios económicos? E as necessidades educativas especiais? E as turmas sobrelotadas? E as salas com calor ou frio insuportáveis? E as máquinas das gulodices a engolir moedas? E a falta de pessoal auxiliar?Desenho de um aluno. Ilustração da situação de uma peça de teatro:um aluno que não gosta da escola, mas adora chocolates. Não nos soa nada mal, pois não?

6 comentários:

Pitucha disse...

Essa do sitemeter é sinal que estão todos a banhos! (Enfim, quase todos.)
Beijos grandes

casa.da.ponte disse...

Cá p'ra mim o sitemeter deve estar avariado.
Querem lá ver que também anda distraído com estas confusões todas!
Beijinhos e chocolate q.b.
M.Dores

Emília Miranda disse...

É isso mesmo Madalena: quando se pensa que agora TUDO se fará por decreto, é sinal de TOTAL ignorância sobre o que já se fazia!
Um abraço,
Emília.

CMP disse...

Fico espantada como ainda te espantas! Nada vindo do "chefe" já me espanta! São ou não são, todos um espanto?

Hindy disse...

Não querendo falar de trabalho porque agora cheira a Verão ;) solto um beijinho hindyado!

Luisa Hingá disse...

Eu deixo desejos de um bom fim de semana e beijinhos