segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Os dias que passam

Quando o dia me dói, a minha memória refugia-se no quintal da minha avó, onde as Árvores de Fruto eram Rainhas. As Couves, as Alfaces, as Galinhas e os Coelhos eram súbditos de Suas Majestades que se mantinham de pé uma vida inteira, altivas e resistentes.
Uma das mais pequenas era a romãzeira. Ficava ao fundo, junto aos tanques (onde as mulheres da casa lavavam toda a roupa da casa!) e vigiava os lençóis que ficavam a corar nas imensas redes, ali postas para o efeito. Era das mais franzinas, a romãzeira. Talvez alguma maleita tivesse impedido esta mãe de uma fruta tão sugestivamente real de crescer, crescer, crescer, robustamente, rumo às alturas dos telhados dos vizinhos. Ficava-se, humildemente, pela altura dos muros.
À medida que fomos crescendo, fomos chegando com mais facilidade às romãs. Não tínhamos de esperar que caíssem. E depois, bago a bago, lá íamos saboreando o delicioso fruto, que parecia não ter fim.
Hoje, tenho também uma romãzeira nos meus caminhos. O afecto que sinto por ela vai aumentando à medida que me afasto da outra da minha infância. A vida é assim!(Já não sei se foi a romãzeira que me sussurrou esta verdade?!)Talvez a romãzeira do quintal da minha avó tenha voltado e se tenha plantado ali, quase à minha porta. Sem esta, bem mais definhada mas mesmo assim romãzeira, eu já teria esquecido a outra, penso eu, cheia de culpa. Ninguém deve ser esquecido. Nem uma árvore. Nem uma flor. Nem o doce de um bago de romã!

6 comentários:

Pitucha disse...

Tanto que me apeteceu comer romã, querida Madalena.
Beijos

espumante disse...

O meu avô, que era quem me ensinava as malandrices e os pensamentos de pecado, à revelia do meu irrepreensível pai, disse-me uma vez, à surrelfa, que a romã para ser boa tinha de ser comida com açúcar e vinho tinto (o vinho tinto explica o secretismo da coisa...). Claro que não descansei enquanto não experimentei. O tempo passou e hoje acho muito melhor um texto como teu sobre romãs do que qualquer vinho. Por muito tinto quue seja...
Beijinho
:))

casa.da.ponte disse...

Apesar de não apreciar o fruto, estou como a Pitucha,depois de ler este texto até dá vontade de comer uma.E dizem que traz fortuna a quem a come. Gosto muito da árvore ...quando está em flôr fica tão bonita!
Beijinhos Madalena
M.Dores

calamity jane disse...

Lindo, lindo, Madalena! Lindo mesmo.

wholesale jewelry disse...

cool blog

googler disse...

clutch bags
ladies bags
mulberry bag
mulberry handbags
mulberry handbag