sábado, 2 de julho de 2011

Adeus, Carlos!

Adeus, Carlos!
Deixa ficar connosco a memória do teu riso! Deixa ficar connosco o teu olhar espantado e podes até deixar o teu olhar zangado, esse ar que te emprestava uma certa expressão de criança, a mesma com que falavas com as tuas netas.
(O teu lugar é no meio de nós. A tua partida não faz sentido!)
No último almoço, quando todos tirámos as caixas dos comprimidos do bolso e começámos a tomar, desatámos a rir da nossa "velhice" ali escancarada no comprimido da tensão e do colesterol.
Fomos tomando consciência de que a juventude, tal como ela era quando nos conhecemos, estava a passar para os nossos filhos e isso era bom...
Fomos aceitando as mazelas e até fazíamos humor com os sinais exteriores da nossa "avançada" idade de BI. Por dentro, a nossa imensa amizade estava tudo igual. Sobretudo a irreverência que era a nossa imagem de marca. Para a história ficarão as tortas que iam ao ar sem se desmancharem, sem nunca eu ter percebido porquê. O pó da casa da Isabel, tão preocupada com a extrema limpeza. O sonho do carpélio contado pelo Jorge, revisto e aumentado com o passar dos anos e sempre gerador de gargalhada geral.
Não, Carlos, não vai ser nunca mais a mesma coisa. Mas vamos sempre sentir a tua presença, ouvir a tua gargalhada e perscrutar no teu olhar traquina, o homem bom e o bom amigo.
Um dia a gente vê-se, Carlos!!!!

7 comentários:

Filoxera disse...

Continuam connosco, os afectos que tivemos oportunidade de acompanhar neste plano e que um dia havemos de reencontrar...
Um abraço.

Maria disse...

Ou aproveitamos o tempo aqui, e saboreamos as amizades e convivemos, ou... não sei, mas não acredito!

Beijo.

Graça Pereira disse...

A morte é sempre um escândalo...Surpreende sempre apesar de ser esperada...mais tempo, menos tempo! Mas se nos parece que ela é o fim da vida, não é essa a sua finalidade...seria demasiado pequeno para algo que é tão grandioso!
Beijo
Graça

Nela disse...

Beijinhos, Madalena.
*

Gatapininha disse...

*

Janine disse...

Beijinho doce, querida Madalena. Uma bela homenagem, este texto. *

Guida Palhota disse...

*

Um beijo muito grande, Madalena.