sábado, 19 de novembro de 2011

Memórias dos Dias

As canções dos Beatles foram a banda sonora de uma revolução global que nós, os “sessentinhas” e os “cinquentões”, vivemos com a gulodice própria da adolescência, daquelas cheias de “borbulhas no rosto”, como diz a canção do Rui Veloso. Foi bom! De repente, o mundo parecia estar a nosso favor e não contra nós, “para nos tramar”… (Outra vez a canção do Rui Veloso!)
A primeira vez que me lembro de dançar (eu, que nem sabia dançar!) ao som daquela magia que toma conta de nós e nós não sabemos porquê, foi no aniversário da minha prima Madalena. Ela fazia os mesmos dez anos que eu tinha feito dois dias antes. Estávamos crescidas! (Achávamos nós!)
O Twist and Shout passava uma vez e outra vez no pick up que coloria de som a festa de anos.
Nós não sabíamos porque quem está por dentro das coisas não vê, mas a adolescência estava mesmo a chegar, com uma bagagem de novas sensações. Também não sabíamos e ainda não sabemos tudo acerca das sensações: só se sabe o que se experiencia na primeira pessoa.
Também não sabíamos, mas em breve viríamos a compreender que anda tudo ligado. Naquela manhã em que a minha mãe me foi acordar, com o medo na voz e nos gestos, percebi que ser adulto podia não ser assim tão fácil como imaginavam os meus dez anos, presos às pernas altas e corpo desengonçado: mataram o Kennedy! Ora o Kennedy não era só política: havia o lado cor de rosa dos Kennedy que tinha acabado de nascer com a belíssima, requintadíssima Jackie.
Bem, pelo menos ainda não tinha sido o Salazar, que esse parecia ser o medo máximo da minha mãe. Esse sim punha em causa vivermos como vivíamos, já então numa antecipação de conforto que havia de caracterizar o fim do século vinte.
Chegados à adolescência, lá estavam os Beatles. “Aqueles guedelhudos” que se calhar nem banho tomavam todos os dias! Enquanto uns se fixavam nos cabelos escandalosamente compridos, quase a tocar o colarinho da camisa, outros aproveitavam as letras para “crescer” e o mundo pulava e avançava “como bola colorida” entre as mãos de uma criança que ia ficando cada vez mais para trás. Estávamos a perder a "criança" (que dizemos que ora dentro de nós) e parecia não nos importarmos com isso…
Foi pena termos perdido essa criança!
A 19 de Novembro de 1967 os Beatles lançavam o seu álbum “Magical Mistery Tour”. Like a fool on te hill faz parte desse trabalho e não tem nada a ver com twist. Tem mais a ver com uma nova maneira de ver o mundo, lá de cima, do topo do monte…
Like a fool on the hill...

5 comentários:

Maria disse...

Day after day
alone on the hill.........

Memórias boas. Dos bailes nas garagens dos amigos...

Bom dia!
Beijinho

miguel disse...

belíssimo texto, Madalena, que prazer ler.

Graça Pereira disse...

E é a memória dos dias que alimenta a nossa alma!
Um Santo e Feliz Natal para ti e todos os teus e que 2012 não seja tão mau como está fadado!!
Mil beijos.
Graça

Janine disse...

Um beijinho, doce Madalena...
Adorei o texto, como sempre...
Um beijinho com votos de um Natal cheio de sonhos renovados...

Gatapininha disse...

Bom ano!!! jokas